A China é um país incrível, mas o choque cultural é grande. Então, é bom pegar essas dicas.


- Brasileiros e europeus (no caso de quem possui dupla cidadania) precisam de visto. Ele pode ser solicitado no Brasil antes da viagem. Eu tirei o meu visto em Sydney, pois estava morando na Austrália e foi bem tranquilo. Mas, é preciso escolher bem qual tipo de visto será solicitado, porque existem vistos que só permitem 1 entrada na China. Ou seja, se a pessoa resolver sair da China continental e ir até Hong Kong por exemplo, não conseguirá voltar se não possuir visto com múltiplas entradas. 



- Quase ninguém fala inglês por lá. Não adianta tentar falar o básico como  “hostel”, “hotel” tentando achar o seu hostel  ou hotel porque ninguém entende. Tenha sempre um papel anotado com o nome do lugar que você precisa ir em chinês. Dê esse papel para a primeira pessoa que pareça apta a te ajudar e prepare-se para uma mímica básica. Em todos os hostels que eu fiquei, eles tinha um cartão com nome e endereço do hostel em inglês e chinês. Eu sempre saía com pelo menos 2 na bolsa para não correr o risco de me perder. 


- Mandarim é uma língua complicada, mas dá para aprender algumas palavras como ni hao (oi), pronuncia-se “ni-ráu” e xie xie (obrigado), pronuncia-se “xiê-xiê”. É bom utilizar essas palavras para iniciar uma conversa e depois agradecer. 


- O trânsito é uma loucura e atravessar a rua lá exige bastante coragem. Mesmo quando o sinal está verde para os pedestres, os carros cruzam as ruas e não param de buzinar. Então, para atravessar a rua lá, eu sugiro que você siga os chineses. Eu tive um acidente por lá, uma motinho me atropelou (por sorte foi só o susto e uma queda que esfolou apenas meus joelhos, mas todo cuidado é pouco). Olhe SEMPRE para os dois lados.


- Todo mundo escarra e depois cospe no chão. Durante os 16 dias que estive por lá, não consegui achar normal, mas é parte da cultura deles. Outra coisa, todo mundo fuma em todos os lugares. A China por si só já é poluída, com os cigarros é ainda pior. 


-  Gente, gente, gente! Não se assuste ao pegar um metrô lotado 3 da tarde, porque a China é isso – um amontoado de gente. É o país mais populoso do mundo.


- A China recebe bastante turistas, mas a maioria deles é da Ásia mesmo. Então, os chineses adoram encarar os ocidentais e muitas vezes eles pedem para tirar fotos. Não se assuste se isso acontecer com você. Eu tirei várias fotos com os chineses. Me sentia uma celebridade. haha


- Tem muito mais homem do que mulher na China. Em muitos lugares, você só verá homens. Isso é fruto obviamente dos anos passados, em que várias meninas foram mortas pelos próprios pais, porque é mais interessante (financeiramente falando) ter um filho homem. 


- A qualidade dos hostels é excelente e eles são baratos. Fiquei em lugares muito bons e paguei algo como U$6 por uma cama. Vale a pena ficar em hostel na China. O inglês dos funcionários é relativamente bom e muitos hostels possuem quartos privativos, para quem não quer dividir quarto.


- Muito cuidado com o tal golpe do chá, café ou exposição de arte. Jovens que se dizem estudantes, aproximam-se e ficam puxando papo, falando que precisam praticar inglês, perguntam da onde você é e logo te convidam para tomar um chá ou café. Fuja!!! É scam (golpe). Você vai na tal casa de chá e os caras te cobram uns U$100 por uma xícara de chá. É bem facil identificar as pessoas que tentam aplicar esse golpe. Tem inglês muito bom, estão bem vestidas, são muito simpaticas, em 99% das vezes pedem para tirar foto com você, estão nos principais pontos turísticos e são muito boas de lábia. Fuja! Se quiser ir a uma cerimônia de chá, pergunte no seu hostel/hotel, um bom lugar e que tenha preços honestos.


- Banheiro público na China é um buraco no chão. Para os padrões ocidentais, é meio nojento e se você for mulher, você vai sofrer bastante tentando se equilibrar. Carregue sempre um lenço umedecido ou um lenço de papel, porque não tem papel higiênico nos banheiros públicos. 


- Na China é comum comer cachorro, rato, escorpião, cobra e basicamente tudo que eles acham que pode ir para a panela ou para o espeto. Portanto, pense 3 vezes antes de comprar algo numa barraquinha de rua, pois a carne do palitinho pode ser algo bizarro.


- Os chineses adoram misturar comidas. Não se assuste ao ver o pessoal misturando sobremesa com o prato principal, salada com sorvete e tomando tudo isso com chá com leite (milk tea). Para eles, é normal. Nos restaurantes, o pessoal já pede as bebidas, o prato principal e a sobremesa e chega tudo junto na mesa e eles começam a misturar tudo. 


- Acostume-se a colocar sua bolsa ou mochila no raio-x em todas as estações de metrô. Pois é, na China existe raio-x para entrar no metrô.


- É necessário uma certa dose de paciência, pois os chineses não respeitam as filas e tudo sempre está muito lotado.


- Ao contrário de outros países da Ásia, não vi muitas casas de câmbio na rua. Mas é bem tranquilo sacar dinheiro em qualquer ATM. Eu consegui sacar com meu VTM e com cartão de crédito. 


- Vários sites são proibidos na China, entre eles o facebook, youtube, blogs, etc. Existem jeitos de “burlar” o sistema. Um deles é baixar um programa antes da viagem que muda o IP do seu computador. Nos hostels, é só perguntar para os funcionários, qual é o site que eles estão usando para acessar o facebook. Como muda muito (cada vez que o governo descobre), não posso te informar aqui qual é o endereço.


- A China não é perigosa e é muito tranquilo, mas muito tranquilo mesmo fazer turismo por lá. A barreira da língua existe, mas os funcionários dos hostels que eu fiquei, sempre foram super simpáticos e resolveram meus problemas. Por exemplo, comprar passagem de trem na estação pode ser um pouco complicado, então compensa pagar a taxa que os hostels cobram (entre U$3-U$5) para comprar o bilhete para você. Eu comprei direto nos hostels e foi do jeito que eu queria.


- Trens – a China tem um sistema ferroviário muito bom. Como o país tem dimensões continentais, nem todas as viagens são rápidas. Existem os trens rápidos (fast trains) e os hard sleepers (que tem as cabines com camas). No hard sleeper, você pode escolher entre a cama embaixo, no meio ou superior. As melhores são as de baixo e as do meio. Mas, saiba que se você comprar as de baixo, inevitavelmente, em alguma hora da viagem, um chinês vai sentar na sua cama. Meu amigo ficou com a de baixo, 2 chineses sentaram na cama dele por algumas horas e eu fiquei na do meio. Eu gostei da do meio e meu amigo também gostou da inferior. Ou seja, depende muito do seu perfil. Se sente tonturas por exemplo, é melhor a de baixo. Outra coisa interessante é que dentro do trem existem várias máquinas de água-quente grátis e você pode ir lá e preparar seu Cup Noodles. Todo mundo faz isso (eu também fiz) e é bem tranquilo e mais um jeito de economizar.