Hoje o Preciso Viajar faz 4 anos. Fiquei um tempão fazendo contagem regressiva, mil planos de sorteios e aí simplesmente esqueci da data. Só não passou em branco porque é junto com o aniversário da minha irmã, 11 de maio.

Poderia ficar aqui chovendo no molhado, mas tentarei ser sucinta: nesses 4 anos, acho que recebi mais do que dei. Fui felizarda por lá no começo ter sido ajudada por muita gente bem mais influente do que eu. Lembro que quando fiz a transição do Fernanda Viajante (meu blog hobby/diário) para o Preciso Viajar comemorava quando a audiência chegava a 300 visualizações por dia. Pensava: nossa, 300 pessoas visualizaram meu blog hoje. Não entendia absolutamente nada de Google Analytics, mal sabia a diferença entre visitantes e visualizações, SEO era uma palavra que só existia com C no meu vocabulário (CEO) e eu ainda engatinhava no marketing digital.

O tempo passou e fui aprendendo na raça tudo isso que citei acima e fui trabalhando (e melhorando) meu conteúdo. De vez em quando pego um texto de 2012 e me pergunto: como é que as pessoas tiveram a capacidade de ler e, pior, gostar disso? Fui me tornando muito crítica comigo mesma, deletei uns posts que achei que não estavam a altura do blog e editei outros.

O tempo passou mais um pouco e a audiência foi crescendo, crescendo e hoje já ultrapassa os 3 milhões e meio de visualizações totais em 4 anos. Para alguns pode parecer pouco, mas considerando que o crescimento se deu mesmo de 2 anos para cá, considero um número bem razoável. Pelo visto os destinos também. Nesse meio tempo comecei a receber muitos convites. Infelizmente por causa da minha vida “normal” não posso aceitar a maioria deles. Isso já me deprimiu muito e quando pensei seriamente em largar a estabilidade (de volta) e viver só de blog, veio a crise. As finanças do blog estavam indo tão bem, mas aí começaram a cair. Num primeiro momento pensei que o problema tinha sido só comigo, mas conversando com amigos percebi que o problema era meio que geral. Recuei e pensei: a hora não é agora, mas ainda não sei até quando essa decisão vai durar.

Falando em amigos, sou grata ao Preciso Viajar por eles. Desde os blogueiros que conheci até os leitores (sim, já conheci pessoalmente alguns). Não citarei nomes porque não quero esquecer ninguém, mas fica aqui o meu abraço.

O tempo voou e muita coisa mudou. Eu também mudei. Acabei mudando até meu estilo de viajar de uns anos para cá. Tive que aposentar minha mochila por causa da minha dor nas costas e braços, problema que já me fez ficar muito tempo em casa no ano passado sem poder escrever. Passei a viajar com uma mala de rodinha. Já não tenho ficado tanto em hostels. Ainda gosto do ambiente descontraído e acho que é um excelente lugar para fazer amigos, mas de 2 anos para cá tenho tido muita dificuldade para dormir. Meu sono anda super leve e preciso dormir com silêncio total e luz apagada (coisas nem sempre possíveis em um quarto compartilhado de hostel). Também fiz as contas e percebi que a última vez que viajei sozinha foi para o Hawaii em 2013. Estou sentindo falta e quero ver se ainda esse ano faço uma viagem solo. Estou precisando de um tempo comigo mesma.

preciso viajar

Eu, versão 2016

A única coisa que não mudou nesses últimos quatro anos foi a minha paixão (obsessão) por viajar. Preciso viajar, sempre! Acabei de completar a marca de 50 países visitados. Muito pouco para a minha eterna lista, mas sei que muito para o padrão geral da sociedade.

Com a Eslovênia cheguei na marca de 50 países visitados

Com a Eslovênia cheguei na marca de 50 países visitados

Agradeço a todos que passam por aqui e leem o que escrevo. Fico muito feliz quando alguém me escreve dizendo que pegou várias dicas aqui ou que fez uma viagem porque leu meus textos e se apaixonou por tal lugar. Quem faz o Preciso Viajar continuar é você e a sua leitura e não eu. Usando a palavra da moda: gratidão!

Importante

Lembrou do seguro viagem? Ele é muito importante e obrigatório nos países da Europa que fazem parte do Tratado de Schengen e também em Cuba e Venezuela. Nos demais países também é recomendável a contratação, pois não podemos prever incidentes. Leia sobre minha internação na Tailândia. No caso dos Estados Unidos, por exemplo, o custo médico diário de uma internação fica na faixa dos U$2.000 (caríssimo). Para os EUA a contratação de um seguro com cobertura de U$1 milhão não é exagero. Além disso, o seguro é super útil nos casos de cancelamento de viagem e extravio de bagagem (para citar alguns exemplos). Uso o seguro da Assist Card há anos (faça sua cotação). Precisei utilizar 4 vezes durante minha volta ao mundo e sempre fui muito bem atendida. Você pode cotar com eles sem compromisso e, caso opte pela contratação, ainda tem 5% de desconto utilizando o cupom PRECISOVIAJAR5.