Já falei diversas vezes aqui no blog das vantagens de possuir um passaporte europeu. Estive na Austrália em maio/2017 e tirei o visto australiano com o passaporte italiano. O processo é todo eletrônico, o visto é concedido pouco tempo depois da aplicação e é um processo muito menos burocrático que tirar o visto de turismo com o passaporte brasileiro. Em tempo: eu já morei na Austrália com o Working Holiday Visa, um visto que permite que jovens entre 18 e 30 anos dos países signatários morem e trabalhem na Austrália por até 12 meses. Caso se interesse por esse tipo de visto, confira as informações aqui nesse post – Working Holiday Visa Austrália.

Como tirar o visto australiano com o passaporte italiano – procedimentos

Já começo dizendo que o site do governo australiano (departamento de imigração e fronteiras) é excelente. Na dúvida, consulte o site oficial. https://www.border.gov.au/Trav/Visa-1/651-

Existem vários tipos de vistos, mas o visto de turismo para italianos enquadra-se na categoria eVisitor, subclass 651.

Antes de aplicar para o visto australiano com o passaporte italiano

O eVisitor fica linkado ao número do passaporte utilizado na aplicação do visto. Ou seja, você deve usar o mesmo passaporte para entrar na Austrália.

Se, por ventura, você fizer um novo passaporte antes da viagem, deverá atualizar os dados do novo passaporte na sua “ImmiAccount”, a conta do site do governo australiano.

Custo do eVisitor

Não há custo.

Quem pode solicitar o eVisitor

Pessoas que podem solicitar o eVisitor:

  • que pretendem visitar a Austrália temporariamente e para fins de turismo ou negócios
  • que estão fora da Austrália
  • que são portadoras de um passaporte elegível ao eVisitor
  • que não têm tuberculose
  • que não foram condenadas por uma ofensa ou ofensas para as quais a sentença total é superior a 12 meses (seja ou não a sentença cumprida).

Passaportes elegíveis ao eVisitor

Além da Itália, portadores de passaportes dos seguintes países podem aplicar para o eVisitor:

Andorra, Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Chipre, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Itália, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Mônaco, Países Baixos, Noruega, Polônia, Portugal, Romênia, República de San Marino, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça, Reino Unido e Vaticano.

Requisitos de Saúde

 Viaje tranquilo com um seguro viagem. Faça sua cotação sem compromisso.

O visto pode ser negado se você tiver tuberculose. O site do governo australiano também deixa claro que o aplicante é responsável por todos os custos relacionados à saúde enquanto estiver na Austrália. Há um acordo recíproco de saúde entre Austrália e Itália que cobre emergências médicas, mas o próprio site do governo australiano recomenda que você contrate um seguro viagem.

Como aplicar para o eVisitor

Acesse o seguinte site: https://online.immi.gov.au/lusc/login

Se nunca tiver aplicado para um visto, crie em “create ImmiAccount”.

Depois de preencher os dados para criar a conta, vá para “application for an eVisitor”.

O formulário é todo em inglês, mas alguns pontos merecem atenção:

1 – Campos “country of birth” e “country of residence”: se você nasceu e mora no Brasil preencha essas informações com “Brazil”.

2 – Campo “passport details”. País do passaporte e nacionalidade do passaporte devem ser “Itália” (ou o outro país europeu que você tem cidadania).

3 – Campo “if you hold citizenship of any countries other than the country listed in your passport, provide details”. Selecione Brasil se você também tem um passaporte brasileiro.

4 – Campo “Are you currently, or have you ever been, known by any other names? Caso o sobrenome do seu passaporte italiano seja divergente do passaporte brasileiro marque “yes” nessa opção e escreva qual o sobrenome que está no passaporte brasileiro. Essa divergência de sobrenomes é muito comum nos passaportes italianos principalmente com as mulheres casadas.

5 – Preencha corretamente o seu email, porque o visto vem por email.

Importante

Lembrou do seguro viagem? Ele é muito importante e obrigatório nos países da Europa que fazem parte do Tratado de Schengen e também em Cuba e Venezuela. Nos demais países também é recomendável a contratação, pois não podemos prever incidentes. Leia sobre minha internação na Tailândia. No caso dos Estados Unidos, por exemplo, o custo médico diário de uma internação fica na faixa dos U$2.000 (caríssimo). Para os EUA a contratação de um seguro com cobertura de U$1 milhão não é exagero. Além disso, o seguro é super útil nos casos de cancelamento de viagem e extravio de bagagem (para citar alguns exemplos). Uso o seguro da Assist Card há anos (faça sua cotação). Precisei utilizar 4 vezes durante minha volta ao mundo e sempre fui muito bem atendida. Você pode cotar com eles sem compromisso e, caso opte pela contratação, ainda tem 5% de desconto utilizando o cupom PRECISOVIAJAR5.